Redes Sociais

twitter facebook

TAS APRECIA EM JULHO RECURSO PELA INCLUSÃO DOS 50 KM MARCHA

TAS APRECIA EM JULHO RECURSO PELA INCLUSÃO DOS 50 KM MARCHA

Mensagempor Maria Coelho em 27 jun 2019, 18:34

https://thumbs.web.sapo.io/?epic=ZDA0TiKszzKo2o0FRAM9+GDBv/ElW4yVj+j2LXxDWuy+tKV+CuhBps2X7HauFQhnXMGIKyliAexmcRRJjvUmfBtE6K77RiUYXYTbvx80OKFxVe4=&W=800&H=0&delay_optim=1

TAS APRECIA EM JULHO RECURSO PELA INCLUSÃO DOS 50 KM MARCHA FEMININOS EM TÓQUIO2020

O recurso foi apresentado por várias atletas, entre elas a portuguesa Inês Henriques.

O Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) vai analisar no final de julho o recurso apresentado por várias atletas, entre elas a portuguesa Inês Henriques, para que os 50 km marcha femininos sejam integrados nos Jogos Olímpicos Tóquio2020.

A atleta portuguesa, atual campeã europeia e mundial, encabeça a lista de atletas que reclama igualdade de género junto do TAS, visando o Comité Olímpico Internacional e Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF), visto que a prova de 50 km marcha é a única que consta do programa olímpico que não tem equivalente em femininos.

A IAAF alega que a prova de 50 km marcha em femininos carece atualmente de profundidade e qualidade para justificar o estatuto olímpico.

O Tribunal Arbitral do Desporto, sediado em Lausana, na Suíça, informou hoje que irá analisar o recurso entre os dias 29 e 30 de julho.

Quando Henriques conquistou o primeiro título mundial em 2017, fixando então o recorde mundial eme 4:05:56 segundos, apenas sete atletas de quatro países iniciaram a corrida, das quais chegaram ao fim apenas quatro. Esse recorde já foi, entretanto, batido pela chinesa Liu Hong, com um tempo inferior a quatro horas.

Inês Henriques, de 39 anos, que conquistou também, o título europeu na especialidade numa prova em que participaram 19 atletas, afirmou numa entrevista ao ‘site’ da IAAF em 2018 que o seu sonho era competir em Tóquio com mais de trinta mulheres e manifestou a expectativa de que o COI e a IAAF lhe permitissem a realização desse sonho.

Este processo junto do TAS foi desencadeado pelo advogado norte-americano Paul DeMeester, que já tinha sido determinante na ação legal que levou a IAAF a incluir a prova nos Mundiais de 2017.

Entre os nomes que respaldam o pedido de DeMeester, além de Inês Henriques, constam os nomes da australiana Claire Woods, das equatorianas Paola Pérez, Johana Ordoñez e Magaly Bonilla e da espanhola Ainhoa Pinedo, e de alguns atletas masculinos, como o neozelandês Quentin Rew.

Em 2017, DeMeester acusou a IAAF de discriminação por não prever a prova no seu programa, e a pressão foi bem-sucedida, já que acabou por se realizar, em Londres2017, uma histórica prova da distância mais longa da marcha, ainda que só com sete mulheres.

A prova repetiu-se nos Europeus, mas para os Jogos Olímpicos o comité de marcha da IAAF tem considerado que havia necessidade de melhorar a qualidade da prova feminina para que seja elegível em termos de Jogos.

DeMeester defende que é discriminatório haver marcha masculina e não feminina nos Jogos e adianta por outro lado que não é essencial que se façam duas provas separadas, bastando classificações separadas no final.

In SapoDesporto
Maria Coelho
Moderador
Moderador
 
Mensagens: 12065
Registado: 13 mai 2019, 22:05

{ SO_SELECT }

{ SHARE_ON_FACEBOOK } Facebook { SHARE_ON_TWITTER } Twitter { SHARE_ON_ORKUT } Orkut { SHARE_ON_MYSPACE } MySpace

Voltar para Atletismo

Quem está ligado:

Utilizador a ver este Fórum: Nenhum utilizador registado e 1 visitante